Notícias | Dia a dia | Australian Open
Rublev: 'Mental me impede de vencer os melhores'
21/01/2023 às 10h21

Melbourne (Austrália) – Classificado para as oitavas de final pela terceira vez em sete participações no Australian Open, o russo Andrey Rublev vem fazendo uma boa campanha em 2023, tendo perdido apenas um set em três partidas até aqui. Apesar disso, o atual número 6 do mundo confessou que ainda tem algumas batalhas internas para conseguir alçar voos maiores nas grandes competições.

"Houve momentos em que senti que poderia chegar às semifinais ou talvez até à final, e então nada disso acontece. Tenho um bom jogo para lutar contra os melhores tenistas do mundo, mas a parte mental me impede na maioria das vezes. Às vezes eu quero muito e não consigo me controlar", expôs o jogador de 25 anos que tem 12 títulos de ATP na carreira, mas nenhum Masters 1000 ou Grand Slam.

"Desta vez não quero pensar em oportunidades. Tenho o próximo jogo e vou tentar fazer o meu melhor. Se eu não ganhar, nada acontece. Vou voltar para casa para treinar e me preparar para os próximos torneios, é só o começo da temporada", completou.

Neste sábado, Rublev garantiu vaga na quarta rodada do Aberto da Austrália após bater o britânico Daniel Evans marcando parciais de 6/4, 6/2 e 6/3. Jogando com autoridade, o russo teve no saque um dos seus principais trunfos. Ao todo, ele anotou 10 aces, cometeu apenas uma dupla falta, terminou a partida com 75% de aproveitamento dos pontos em seu serviço e não sofreu uma quebra sequer.

"Hoje estou feliz com meu jogo, principalmente porque da última vez que o enfrentei perdi em dois sets, então me vinguei. O primeiro set não foi incrível, mas também não foi ruim, eu estava sacando bem, mas sem fazer nada de especial. Assim que ganhei o primeiro set, comecei a sentir algum alívio, mais confiante e que posso subir de nível", comentou na entrevista coletiva.

Na próxima rodada, Rublev terá um interessante duelo contra o jovem Holger Rune, de 19 anos, que bateu também neste sábado o francês Ugo Humbert por 6/4, 6/2 e 7/6 (7-5). Para o russo, a pressão estará maior do outro lado da quadra.

"Ele é um menino super talentoso e já não tem nada a perder, porque não sai como favorito. Veremos, vai ser difícil para ele. Serei aquele que também não tem nada a perder, porque ele venceu nosso primeiro duelo", relembrou o único duelo entre eles nas oitavas do Masters 1000 de Paris no ano passado, vencido pelo dinamarquês em sets diretos. “Ele sentirá mais pressão do que gostaria para ganhar", finalizou.

Comentários