Notícias | Copa Davis
Wawrinka volta à Davis após 8 anos e encara Zverev
02/02/2023 às 16h55

Wawrinka busca uma vitória inédita em seu quinto duelo com Zverev

Foto: Paul Zimmer/ITF

Trier (Alemanha) - O confronto entre Alemanha e Suíça pelo Qualificatório Mundial da Copa Davis terá uma grande partida nesta sexta-feira, com Alexander Zverev e Stan Wawrinka. A série é disputada em quadra dura e coberta na cidade alemã de Trier, e o país vencedor irá para a fase final da Davis.

O primeiro jogo da série será às 13h (de Brasília) entre o alemão Oscar Otte, 80º do ranking, e o suíço Marc-Andrea Huesler, 53º. Logo depois, será a vez da partida entre Zverev e Wawrinka. Atual 14º do ranking, o alemão venceu todos os quatro jogos que fez contra o suíço no circuito. Aos 37 anos, Wawrinka é hoje apenas o 135º do mundo.

Wawrinka volta à Copa Davis após oito anos. Ele fez parte da equipe campeã em 2014 e não disputa a competição desde 2015. Seu histórico na Davis é de 22 vitórias em 35 jogos de simples. "Eu sempre disse que gostaria de jogar mais uma vez pelo meu país na Copa Davis e que estaria disponível para jogar se puder ajudar ao time", disse o suíço. "Adoro jogar pela Suíça e temos um grande time, nos conhecemos muito bem, apesar de eu ser o mais velho."

"Estamos incrivelmente felizes em tê-lo de volta ao time", acrescentou o capitão Severin Luthi. "Os jovens jogadores podem aproveitar muito com a experiência dele, e também é uma grande motivação e inspiração para todos tê-lo de volta".

O confronto segue no sábado, a partir de 10h, com a partida de duplas. A Alemanha conta com Andreas Mies e Tim Puetz contra os suíços Leandro Riedi e Dominic Stricker. Na sequência, Zverev e o canhoto Huesler fazem o quarto jogo da série. Se necessário, Wawrinka e Otte disputarão o quinto jogo.

Esta é a décima vez que Alemanha e Suíça se enfrentam pela Copa Davis e o time alemão venceu todas. "As estatísticas são apenas números e estamos enfrentando uma tarefa difícil em Trier", disse o capitão alemão Michael Kohlmann. “Eu sabia desde a Austrália que Stan entraria no time. E não é surpresa que seja escalado para os jogos. Você não convoca um tricampeão de Grand Slam para deixá-lo sem jogar".

Comentários